Surfing

Criadores e inovadores do Vissla: Paul Duvignau

Paul Duvignau é uma espécie de homem renascentista. O jovem de 25 anos se descreve como “shaper, treinador de surf, carpinteiro, artesão multitarefa, cowboy, chippendale, o que você quiser (risos)”. Ele também é uma espécie de retrocesso, um millennial com sensibilidade da velha escola. Ele surfa ondas grandes em armas auto-formadas, bem como cavalos, motos de enduro dos anos 80 e muito mais. Ele fez um nome para si mesmo surfando em La Nord em Hossegor com um estilo de timestyle; como parte do programa Criadores e Inovadores da Vissla na Europa, a cobrança pesada de Paul, o artesanato DIY e as dicas de chapéus para os velhos hábitos parecem uma ótima opção. Ligamos para ele para saber mais.

WL: Onde tudo começou?

PD: Meu pai me levou para surfar aos 2 anos de idade, no verão de 1999. Costumávamos sair com um velho shaper de Hossegor chamado Guitou, que me inspirou para o futuro. A oficina dele era o paraíso, lembro-me de ficar em volta de todas as tábuas, da poeira, do cheiro de resina. Isso realmente abriu meus olhos, ele parecia um mágico para mim. Eu até chorei uma noite quando eu tinha 10 anos, imaginando o que faríamos no dia em que ele se fosse. Meu pai disse: “Você deve aprender com ele, então você pode fazer isso sozinho”.

No atelier: vidro, grãos, bebedores de gás. Fotos: @cocoricosun

Então a modelagem começou cedo?

Aos 13, fiz minha primeira alaia a partir de um pedaço de madeira do meu quintal. Aos 15, comecei a fazer concursos de longboard, então pedi ao Guitou para me moldar um longboard, e também se eu pudesse vê-lo fazendo para que eu pudesse fazer o meu. Dois anos depois, terminei em 2º no Campeonato Francês e comecei a melhorar minha formação e surfar juntos. Estudei construção de casas de madeira na escola e viajava todos os invernos com o dinheiro que ganhava dando forma e consertando pranchas para a Califórnia, Havaí, Austrália… lugares que me ajudaram a crescer meu eu interior viajando sozinho, mas também me ensinaram sobre surf e moldando a cultura.

O golpe é real. Apesar de uma variedade eclética de atividades extracurriculares, Paul nunca está mais feliz do que entre a água fria e pesada na onda grande, bem em frente à praça Centrale de Hossegor, conhecida como La Nord. Foto: @ln.hossegor40

Geralmente, a área de Hossegor tem sido mais uma cena de shortboard afiada. Como o seu amor por estilos e formas mais antigos se encaixa?

Para ser sincero, ser um longboarder e shaper adolescente por aqui não foi fácil, tive muitas críticas entre amigos da escola e do clube de surf, só porque eu surfava em pranchas diferentes e não saía pra balada com todo mundo. Não foi o mesmo no exterior, há uma grande cultura de longboard na Austrália e na Califórnia. As coisas mudaram quando troquei os clubes de surf para sair com os caras mais velhos em Lou Surfou em Seignosse, meu pai é o presidente do clube e toda a geração mais velha de lá me apoiou muito. Mas meus amigos ainda dizem que estou preso no passado, porque eu amo as coisas da velha escola, consertar coisas velhas de segunda mão quebradas para usar novamente.

Você começou bem cedo em La Nord? Conte-nos sobre sua relação com a onda.

A primeira vez lá foi quando eu tinha 10 anos. Eu fui esmagado no primeiro set, quase tive duas ondas, subi chorando. Minha mãe ficou furiosa porque meu pai me levou lá. Voltei lá um pouco mais preparado aos 14 anos, e passo a passo fui ficando cada vez maior. Éramos um grupo de 4 jovens que iam juntos, eu, os irmãos Barrieu e Pierre Antoine Poncet. Eu era o mais novo e sempre pressionado por eles a crescer. A onda é realmente imprevisível, no line up você não tem tempo para conversar com seus amigos, porque vem um conjunto de tênis e bum, você está arrasado. O que é desconfortável é que isso o leva fundo e o mantém profundamente por um longo tempo. Desafiei-me a remar na Belharra, pensei em ir para a Nazaré, mas percebi que o que mais gosto é mesmo estar com os meus amigos e desfrutar de La Nord de 10-15 pés surfando uma arma que eu mesmo fiz. Este é o lugar em que me sinto mais vivo, em uma manhã gelada de inverno, vendo o nascer do sol do line up com algumas aves marinhas. Meu pai foi a primeira pessoa a surfar em La Nord em uma prancha de bodyboard. Ele também adora, é um assunto de família. Ele ainda surfa lá com uma arma que fiz para ele e organiza o La Nord Challenge todo ano.

Mesmo no tamanho divertido de La Nord, ver essa vista – capturada remando de volta depois de uma esquerda – geralmente significa uma surra. Foto: @ln.hossegor40

Além das pranchas, você parece ter uma boa aljava de motores, 4L, Landy, motos… conte-nos um pouco sobre seu amor por motores.

Meu pai e meu avô vendiam carros para viver, então eu cresci com um pouco de cultura automobilística. Eu reconstruí cerca de dez Renault 4Ls, carros franceses antigos com os quais cresci. Depois vendi alguns e comprei o Defender como um carro de aventura maior, também estou reconstruindo um Cadillac 1962 que ganhei de um velho barato. Adoro reconstruir esses carros antigos, para mim pranchas de surf e carros combinam bem. Eu também amo motocicletas, a liberdade de viajar por alguns dias. Tenho um modelo Honda 600 XL Paris Dakar 1986 que adoro pilotar nos Pirenéus, é a minha outra forma de escapar. Você pode sentir a velocidade, você tem que estar realmente focado, um erro e você pode morrer. É um pouco como surfar ondas grandes, e eu adoro isso.

Enquanto as fábricas do Extremo Oriente são uma realidade moderna no cenário do surf para atender à demanda por vários produtos, uma oficina nos fundos atrás de um banco de areia local favorito que mantém horas de acordo com os ritmos de swell, vento e maré sempre será sagrado para a cultura. Foto: @cocoricosun

Criadores e Inovadores da Vissla parece ser um ajuste natural para você…

Foi exatamente o que eu pensei também, infelizmente eles não pensaram, no começo (risos). Quando eu tinha 18 anos eu estava cheio de energia, modelando e surfando, eu pensava ‘Esta marca é para mim! Além disso, eu conheço o chefe, Derek, ele é amigo do meu pai, eu estava na escola com as filhas dele. Vamos!’ Fiquei super empolgada porque pela primeira vez senti que uma marca estava combinando com o que eu era apaixonada. Então eu liguei para eles para tentar entrar no time. Mas eles não gostavam de mim porque eu era longboarder… Eu disse que não era fácil ser longboarder! (risos). Então eu os persegui por alguns anos, então um dia, eu estava reconstruindo uma velha caravana no meu quintal, recebi um e-mail me pedindo para passar no escritório. Eles tinham visto o que eu estava fazendo no meu Instagram e estavam interessados ​​em me fazer criar algumas coisas para eles. Tão empolgado, eu não podia acreditar! Então fiz alguns móveis de pallets para eles, eles gostaram, e resolvemos fazer uma oficina juntos para que eu conseguisse um lugar para eu construir tudo o que eles precisavam. Encontrei uma antiga oficina para alugar, e este é o lugar onde moro e trabalho nos últimos 3 anos. Tem sido enorme para mim, meu trabalho. Além disso, eles me fornecem as melhores roupas de mergulho e equipamentos para surfar.

Que novos projetos estão na calha?

Com Vissla construímos uma caravana de modelagem móvel que podemos viajar e levar para eventos, para a praia. É um conceito muito legal, podemos fazer exposições do nosso trabalho e as pessoas podem vir e ver as pranchas sendo moldadas fora dos lugares habituais. Quem quiser conferir pode nos encontrar na Wheels & Waves no final de junho em Biarritz, venha dar um oi!

Foto da capa: @In.hossegor40

Click to rate this post!
[Total: 0 Average: 0]

Você também pode estar interessado em

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Utilizamos cookies para melhorar a experiência do utilizador. Seleccione aceitar para continuar a navegação. Política de cookies

Ir para cima